top of page

Não deixe soar em branco os sinos de Ouro Preto em sua próxima visita

Atualizado: 11 de set. de 2023

Mesmo que esteja apenas por um dia em Ouro Preto, não deixe soar em branco um dos sinos das muitas igrejas ouro-pretanas. Lendo esse texto, se calhar de um sino tocar em sua visita, você terá ideia do que pode estar acontecendo na cidade.


Com nomes e toques diferentes, os sinos das igrejas continuam a marcar o tempo em Ouro Preto: chamando para a missa, para as celebrações da Semana Santa e outras festividades religiosas e... até mesmo para comunicar a morte de um membro importante das irmandades e da comunidade.


DOS CHINESES AOS CATÓLICOS EUROPEUS


Segundo matéria publicada na revista Pesquisa Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), “os sinos foram criados por volta de 2 mil a.C. na China, sendo incorporados ao Cristianismo nos séculos VI e VII, servindo para marcar a passagem do tempo.


Eles anunciavam datas religiosas, mas na Europa em caso de guerras, serviram para comunicar fatos importantes, como a invasão de um povo inimigo ou até um incêndio”. 


SINOS PORTUGUESES NA RICA VILA RICA


Nos idos de 1700, eles chegaram por aqui trazidos pelos portugueses. A notícia que se tem é que o primeiro deles foi instalado na rica Capela do Padre Faria.



Ficou famoso quando foi transladado para Brasília para a inauguração da nova capital brasileira.


Outra história curiosa é a que o sino da Capela do Padre Faria tocou sem permissão no dia da morte de Tiradentes, no Largo da Lampadosa, no Rio de Janeiro, dia decretado ao luto e ao silêncio pela Coroa Portuguesa.



Depois vieram o grande "Bronze" da Basílica Matriz de Nossa Senhora do Pilar e, mais tarde, os dois sinos da Igreja de Nossa Senhora do Carmo. O menor foi batizado de "Jerônimo" e o maior de "Elias".



O TOCAR DOS SINOS: BADALADAS E REPIQUES


Ainda hoje os sineiros tocam para chamar os fiéis para a missa: na Igreja Matriz do Pilar pela manhã e à noite na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição. São toques ligeiros e quase alegres.


Para tirar todos esses sons dos sinos, a atividade do sineiro é um tanto perigosa e talvez, por isso, esteja fascinando os mais jovens a aprender com os velhos sineiros... Hoje já existem encontros de sineiros em cidades mais tradicionais.


Muitos dos sineiros têm formação musical, participam de bandas e grupos musicais ou pelo menos são bons de ouvido. E aprontam também! Já tivemos uns meninos repicando um rockzinho, mas os padres ficam de olho!!!!


Somente homems tocam e participam da fundição de um sino. A tradição oral diz que se uma mulher participa, o sino raja quando extraído de sua forma de fundição. E que se tocar, não se casa jamais... 


E mais, para o serviço é preciso ter força física de um homem. E coragem! Só para subir uma torre sineira, é preciso confiança. Elas são altas com escadas estreitas e íngremes, quase sempre em formato de caracol.


Estando lá na torre, o sineiro precisa “catar o sino”: ele segura uma corda, aproxima-se da beirada do parapeito da torre e projeta seu corpo para fora, enquanto empurra o sino para a frente para alcançar a estrutura de madeira acima do sino, virá-lo para baixo e fazê-lo começar a girar.


Só assim se iniciam as badaladas... à medida que o sino ganha movimento, girando no ar e fazendo com que o badalo bata com força em sua estrutura interna, para começar a emitir o som desejado pelo sineiro. Um repique de alegria ou de tristeza.


Gostou dessa curiosidade? Tens alguma que deseja saber? Me diz aí e pesquiso pra ti!


E fique atento ao soar do sinos em sua visita em Ouro Preto. Que tal curtindo um walking tour com sua Guia de Turismo em Ouro Preto?




129 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page